ViMus

ViMus Rascunho

A Póvoa de Varzim abraça, de 6 a 9 de Setembro, a estreia do ViMus – Festival Internacional de Vídeo Musical. As pautas viajam das rodelas de plástico e do palco para a tela, num evento que, assume a organização, goza de «características inéditas no contexto português e mundial».

O RASCUNHO alia-se à iniciativa, assume o lugar de órgão de comunicação oficial do festival e vai acompanhar todos os passos do ViMus, num blogue especialmente criado para o efeito.

Além de várias actualizações diárias com reportagens, comentários, fotografias e vídeos durante os dias de 6 a 9 Setembro, o blogue vai acompanhar o processo cultural da Póvoa de Varzim, desde apontamentos à habitual Feira do Livro a presenças no novo Festival de Músicas do Mar, entre 30 de Agosto e 2 de Setembro.

Graças ao Festival e ao Rascunho, ainda aperto a mão ao senhor Luis Cerveró, que pelos vistos vai comissariar uma mostra de videoclipes espanhóis.

Ele que foi o realizador deste belo vídeo:

Tony Wilson, Sicko and NHS

Tony Wilson

Hipocrisias à parte, a fotografia que acabo de colocar é de uma pessoa que faleceu recentemente.
Anthony Howard Wilson, para muitos um mito e uma lenda, para mim um desconhecido.
Não sou particular fã da onda musical de Manchester. Joy Division, Happy Mondays e etc. só passaram a ser do meu conhecimento graças ao filme 24 Party People. De resto, só conhecia uma ou outra música com mais espaço de antena.

Não posso prestar aqui homenagem a quem não conheço ou admiro. Posso é ficar chocado com as circunstâncias que rodearam a sua morte.
Ponho de parte o mediatismo e as qualidades que tornaram o senhor Tony Wilson famoso. Vou-me apenas concentrar na partida. Nas circunstâncias que supostamente rodearam a morte do mito.

Sicko

Depois de ver o Sicko, a confusão instalou-se na minha cabeça como um inquilino indesejado.
A meio do filme, ele defende o Sistema de Saúde Público Inglês (NHS), comparando-o com o Americano e apontando uma série de virtudes ao Britânico contra os defeitos do privatizado e elitista sistema Americano.
Mas depois eu deparo-me com as seguintes declarações, do Tony Wilson:

I used to say some people make money and some make history – which is very funny until you find you can’t afford to keep yourself alive.

“I’ve never paid for private healthcare because I’m a socialist. Now I find you can get tummy tucks and cosmetic surgery on the NHS but not the drugs I need to stay alive. It is a scandal.”

Fonte: BBC

Em que ficamos?
Na minha opinião, e n meio de tanta incerteza, prefiro as horas de espera nos Hospitais Portugueses, os partos no meio da auto-estrada e os bisturis esquecidos a meio de intervenções cirúrgicas e as taxas moderadoras.
Ao menos já sei aquilo com que posso contar.

Mas aqui fica em jeito de homenagem:

Doomsday Clock

Is everyone afraid?
Is everyone ashamed?
They’re running towards their holes to find out
Apocalyptic means are lose among our dead
A message to our friends to get out
There’s wages on this fear
Oh so clear
Depends on what you’ll pay to hear

They’re bound to kill us all in whitewashed halls
Their jackals lick their paws

Please don’t stop it’s lonely at the top
These lonely days when will they ever stop?
This doomsday clock ticking in my heart
Not broken

I love life every day
In each and every way
Kafka would be proud, to find out
I’m certain of the end
It’s the means that has me spooked
It takes an unknown truth to get out
I’m guessing I’m born free, silly me
I was meant to beg from my knees

Please don’t stop it’s lonely at the top
These lonely days when will they ever stop?
This doomsday clock ticking in my heart
These lonely days when will they ever stop?

We gotta dig in
Gas masks on
Wait in the sunshine, all bug-eyed
If this is living?
Sakes alive!
Well then they can’t win
No one survives

Is everyone afraid?
You should be ashamed
Apocalyptic screams mean nothing to the dead
Kissing that ‘ol sun to know all there is
Come on, last call
You should want it all

Ah, it’s lonely at the top
These lonely days when will they ever stop
This doomsday clock ticking in my heart
These lonely days when will they ever stop
This ticking in my heart
Is everyone afraid?

Smashing Pumpkins – DoomsDay Clock (Zeitgeist, 2007)

Dá-me confiança no andar esta música, apesar da letra claramente revestida de uma mensagem política, estou mais abstraído com o som que debita dos phones do iPod.
É muita força na bateria, é aquela rockalhada que nos muda o andar, provoca torcicolos e faz com que exista um síndrome de Parkinson evidente, aquele tremelicar das pernas de quem pensa que é baterista.

Eu passo e as velhinhas exclamam: “É drogado… Ui… Barulheira… Tolinho“.

Paralelismo

A vila

Ivy Walker: [after Noah hands her some red berries] Oh, berries! What a splendid present!
Lucius Hunt: Be cautious. You are holding the bad color.
Ivy Walker: [becomes worried, covers the berries with her hands] This color attracts Those We Don’t Speak Of.
[Turning to Noah]

Extracto de um diálogo entre Bryce Dallas Howard e Joaquin Phoenix no filme: A Vila

Que ligação existe entre este filme e os The White Stripes?

(Quem responder correctamente será o feliz contemplado com um melão da mercearia Avelino)

O garrafão?

Sandevid

Mas que pouca vergonha é esta??
Garrafas de plástico a substituir o velho garrafão de vinho tinto nas praias??
Mas será que tudo enlouqueceu??
Nada faz mais sentido?

Garrafão Tintole

A nossa identidade nacional também se identifica através destes pequenos rituais. O cheiro a frango cozinhado na praia e, depois, velhinhos a forçarem os bicos de papagaio, enterrando as perninhas na areia a trazerem o bom garrafão de vinho.
5 litros. Não é litro e meio como anunciam este espanhóis.
Onde já se viu, a nossa terceira idade, a nossa terceira idade, vergada ao populismo do plástico, da ergonomia e das pequenas quantidades e sem açúcar.
Impensável!!!