Summer In the city


Caption: Robalo, bodyboarder poveiro, a caminho da água enquanto uma família de turistas olha para o mar à procura de uma explicação para ondas tão grandes em pleno Julho.


The Lovin’ SpoonFul – Summer In The City

Summer in the City

Hot town, summer in the city
Back of my neck getting dirty and gritty
Been down, isn’t it a pity
Doesn’t seem to be a shadow in the city

All around, people looking half dead
Walking on the sidewalk, hotter than a match head

But at night it’s a different world
Go out and find a girl
Come-on come-on and dance all night
Despite the heat it’ll be alright

And babe, don’t you know it’s a pity
That the days can’t be like the nights
In the summer, in the city
In the summer, in the city

Cool town, evening in the city
Dressing so fine and looking so pretty
Cool cat, looking for a kitty
Gonna look in every corner of the city
Till I’m wheezing like a bus stop
Running up the stairs, gonna meet you on the rooftop

But at night it’s a different world
Go out and find a girl
Come-on come-on and dance all night
Despite the heat it’ll be alright

And babe, don’t you know it’s a pity
That the days can’t be like the nights
In the summer, in the city
In the summer, in the city

Hot town, summer in the city
Back of my neck getting dirty and gritty
Been down, isn’t it a pity
Doesn’t seem to be a shadow in the city

All around, people looking half dead
Walking on the sidewalk, hotter than a match head

But at night it’s a different world
Go out and find a girl
Come-on come-on and dance all night
Despite the heat it’ll be alright

And babe, don’t you know it’s a pity
That the days can’t be like the nights
In the summer, in the city
In the summer, in the city

“With a buzz in our ears we play endlessly”


Caso não o consigam ver, por não estarem registados no YOutube, cliquem aqui

O título do post e, já agora, do novo álbum dos Sigur Rós explica o talento e dedicação que estes meninos colocam em tudo que metem as mãos. É como se fosse a síntese da fórmula que nos explica o sucesso destes islandeses.
Que Deus os ouça e os deixe play endlessly

Serve-me de inspiração, música e vídeo, para correr pela marginal da Póvoa em pleno Agosto, de mãos dadas ao Pila e ao Miro e para, juntos, corrermos com trejeitos de carrossel pelo meio de avecs e parolos, badalando os tintins numa ode à nudez.

Deolinda e o Tocador de Tuba

Quando perguntaram ao guitarrista dos Deolinda , no programa Top +, sobre o que falava esta canção, ele teve esta curiosa resposta…

“Fala sobre o amor de uma rapariga por um tocador de tuba”

A ideia de uma pueril rapariguinha apaixonar-se por um balofo e opulento tocador de tuba – sim, todos os tocadores de tuba são gordos e balofos – é todo um conceito que me anima e floresce em mim como milho transgénico.
É refrescante a ideia de a paixão acontecer entre rapariguinhas e meninos que tocam instrumentos na secção dos metais. É inovador.

“Olha a banda filarmónica a tocar na minha rua
Vai na banda o meu amor a soprar a sua tuba
Ele já tocou trombone, clarinete e ferrinhos,
Só lhe falta o meu nome suspirado aos meus ouvidos!…”

Violet, Viva, Vida.. V Stands for Coldplay

Vídeo que serve para apresentar o novo single, Violet Hill do seu próximo álbum Viva La Vida or Death And All His Friends.

Was a long and dark December
From the rooftops I remember
There was snow
White snow

Clearly I remember
From the windows they were watching
While we froze
Down below

When the future’s architectured
By a carnival of idiots on show
You’d better lie low

If you love me
Won’t you let me know?

Was a long and dark December
When the banks became cathedrals
And the fog
Became God

Priests clutched onto bibles
Hollowed out to fit their rifles
And the cross was held aloft

Bury me in honor
When I’m dead and hit the ground
A love back home unfolds

If you love me
Won’t you let me know?

I don’t want to be a soldier
Who the captain of some sinking ship
Would stow, far below

So if you love me
Why’d you let me go?

I took my love down to Violet Hill
There we sat in snow
All that time she was silent still

So if you love me
Won’t you let me know?

If you love me,
Won’t you let me know?

Acho que as formas de protesto dos Coldplay têm vindo a subir de tom, se antigamente o Chris Martin escrevinhava mensagens na mão e usava pulseirinhas coloridas, agora parece que a contestação e espírito de revolta se alastrou à banda toda.

O vídeo não passa de um gozo directo às pessoas nele retratado e a toda classe política em geral, que vê reflectida uma imagem de palhaços e bobos da corte de todos nós, utilizando apenas um fast forward. Acelerando as imagens de um político, toda aquela postura de poder é perdida em prol de um movimento à Benny Hill dando, nalguns casos, motivos a uma risada geral.

When the future’s architectured
By a carnival of idiots on show
You’d better lie low

Seria tão fácil fazer um vídeo destes em Portugal, das imagens do Jerónimo de Sousa a dançar passando por imagens do Valentim Loureiro em robe à porta de casa, de chernes a sacos azuis, de “é só fazer as contas” até presidentes da república entalados com bolo-rei, o arquivo seria basto e plenamente acessível, o que me deixa, de certa forma, assustado.